Destaques

Empresário que implodiu esquema de propina que levou à prisão de 4 prefeitos em RO não aceitou fazer delação em Vilhena




Alvo de intenso bombardeio após ser identificado como o delator que implodiu um esquema de propinas que levou à prisão de quatro prefeito em Rondônia, o empresário Fausto Moura, de Vilhena, não conseguiu recuperar seu passaporte e não obteve autorização para deixar o Brasil, como vem sendo noticiado no Estado. Quem garante é uma autoridade que acompanha o caso.

Munição para tentar destruir o que resta da reputação de Fausto é o que não falta: ele foi preso duas vezes em Vilhena, acusado de uma série de crimes. Ironicamente, no entanto, foi um dos poucos investigados no esquema envolvendo a prefeitura que se recusou a firmar acordo de delação premiada.

Por questão de segurança, ninguém sabe o paradeiro de Fausto, mas ele permanece no Brasil, segundo a fonte ouvida pelo site. A mansão dele em Vilhena está vazia.

Uma das prefeitas filmadas recebendo propina, Glaucione Rodrigues (MDB), cujo marido também foi gravado recheando a cueca com cédulas de dinheiro, insinua que o vilhenense armou para o primeiro casal de Cacoal: segundo reportagem do site O Observador, Glaucione disse que Fausto a procurou espontaneamente e oferecer dinheiro, já que considerava sua gestão eficiente. “Se a defesa é essa, por que ele decidiu prejudicar?”, questiona um personagem que conhece Fausto e acompanha os desdobramentos do caso.

Agora, para se livrar da encrenca e atestar sua inocência, Glaucione só precisará provar que declarou à Justiça Eleitoral a dinheirama enfiada por ela em sua bolsa de grife, mostrada nas imagens que apareceram nos telejornais.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar