Destaques

Corregedoria da Assembleia Legislativa detecta 122 servidores com acesso ao auxílio emergencial

Um trabalho pioneiro realizado pela Corregedoria Administrativa da Assembleia Legislativa de Rondônia descobriu 122 servidores que receberam indevidamente o auxílio emergencial de R$ 600,00 do Governo Federal. O resultado foi alcançado graças ao cruzamento de dados dos funcionários da Casa com a base do Governo Federal, o Data Prev. O relatório conclusivo foi publicado no Diário Oficial desta segunda-feira e é assinado pelo corregedor-geral Guilherme Erse Moreira Mendes.

A inspeção aberta pelo Poder Legislativo orienta os servidores a abster-se de pedir o auxílio e, em caso de ter feito solicitação e alcançado o benefício devolve-lo aos cofres da União, para sanar o possível dano ao erário. “Esse instrumento de inspeção prévia que a Casa abriu tem o objetivo de apurar fatos que já são públicos. Nossa equipe procedeu o cruzamento de dados juntamente com a plataforma do Governo Federal, o Data Prev, e de forma pioneira conseguimos identificar os servidores que precisarão explicar a razão da tentativa e se fizeram ou não a devolução do dinheiro. A segunda etapa é a parte da correição funcional, na medida que poderão justificar, por exemplo, se tiveram seus nomes utilizados de forma indevida mediante boletim de ocorrência”, explicou o corregedor Guilherme Erse.

Segundo ele, a inspeção foi autorizada pela Secretaria Geral da Assembleia Legislativa após ter sido noticiado que aproximadamente 1.500 servidores públicos de todo o Estado e nas mais diversas modalidades de regime (CLT, estatutário, pensionista, aposentado e comissionado) tiveram acesso ao benefício, mesmo a legislação proibindo. “Nosso objetivo é a transparência, que é o grande norteador de todas as ações de quem está no poder público, seguido do princípio da cooperação, pois com o envio do relatório ao Ministério da Cidadania, Controladoria Geral da União e Tribunal de Contas estamos procedendo com lisura e transparência que a gestão da Casa determina”, pontuou Guilherme Erse.

O relatório final apresentou os seguintes dados: 122 estão com status aprovado que em tese receberam os recursos do auxílio; 47 estão com status em processamento; 51 precisam de novas informações; e 474 tiveram os pedidos negados.

 

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar